10 razões para não viveres uma experiência internacional

Não é difícil encontrarmos razões que justifiquem a importância de uma experiência internacional no desenvolvimento de um estudante ou recém-licenciado, sejam elas a nível profissional ou pessoal. Mas hoje apresentamos-te 10 possíveis razões para não participares numa experiência internacional, ou será o contrário?

  1. Conhecer um novo país e a sua cultura.

Embarcar numa experiência no estrangeiro significa conhecer um país novo com uma cultura própria, de uma maneira muito mais profunda e realista do que seria possível através de uma viagem turística. Viver num país dá-te a possibilidade de conheceres e reconheceres hábitos, práticas e costumes que não conseguirias percecionar como turista e, além disso, se o choque entre culturas te pode tornar mais consciente e tolerante, só a vivência do quotidiano te pode permitir esse desenvolvimento.

“Durante os oito meses que passei na Colômbia, tive a oportunidade de entrar nos costumes e cultura dos meus alunos, o que me permitiu uma melhor integração neste país. (…) Os mitos que correm pelo mundo são tristes e irreais (…) Viver na Colômbia deu-me a oportunidade de viver experiências incríveis, de crescer e, principalmente, fez-me abrir os olhos para o que é o mundo real e para como as pessoas podem ser boas interiormente. “ Francisca Siza

“Até embarcar neste desafio conhecia muito pouco sobre o Médio Oriente, o povo árabe ou sobre a religião muçulmana. Desse modo, fui surpreendida diariamente no início da minha experiência. Tudo parecia fantástico e estranho ao mesmo tempo. Passei os primeiros seis meses a adaptar-me a uma nova cultura, não só na minha vida pessoal e social, mas especialmente no panorama profissional.” Rita Ventura

12084925_10153063258391561_1619270762_o

  1. Aprender ou desenvolver uma língua

A língua portuguesa está entre as dez mais faladas no mundo. Mas, sejamos realistas, há uma grande probabilidade de escolheres um país de língua não portuguesa para realizares a tua experiência internacional e, mesmo que a língua portuguesa seja a oficial, as adaptações e o uso de dialetos são muito frequentes. Por isso, viver e trabalhar num outro país contribui para a aprendizagem ou o aperfeiçoamento de uma língua de uma forma única, estarás constantemente a desenvolver os teus conhecimentos e a arriscar.

  1. Trabalhar num ambiente totalmente novo

A cultura de um país influencia a sua maneira de trabalhar e encarar o trabalho, mesmo que a organização/empresa/startup seja internacional. Trabalhar durante semanas ou meses num país diferente fará com que aprendas novas maneiras de percecionar o trabalho e de o gerir, que podem ser muito vantajosas. Além disso, este novo ambiente de trabalho é constituído por pessoas até então desconhecidas, que possuem caraterísticas, personalidades e ideias que te farão ter uma visão mais alargada e te tornarão mais consciente. E, claro está, farás novos amigos.

Durante o meu trabalho, senti todo o apoio e ao mesmo tempo toda   a independência e liberdade para desenvolver as minhas ideias.   Foi uma experiência única, em que tive a oportunidade de estar rodeada de pessoas inspiradoras das mais diversas áreas que, através do networking, da cooperação e da inovação aberta, trabalham o potencial da inteligência coletiva numa nova forma de  trabalhar.” Carolina Faustino

Carolina_1

“Acho que cresci imenso como pessoa e também aprendi a trabalhar de formas diferentes porque não estava inserida no meu meio habitual – no meu país, com as pessoas com quem eu costumo lidar-conheci pessoas de todo o mundo, o que me abriu para novos conhecimentos, novas perspetivas, (… ). Os meus planos para o futuro também mudaram um bocadinho, acho que fui mais além.” Maria Delgado

  1. Desenvolver uma network

Trabalhar num ambiente novo fará com que conheças novas pessoas e permitirá a formação de uma network internacional, uma rede de contactos, que poderá ser muito útil no futuro, tanto em termos profissionais como pessoais, e que pode em muito ajudar a lançares-te numa maior aventura no estrangeiro ou a desenvolveres uma carreira internacional.

“Posso dizer que foi a AIESEC também que me levou a conseguir ter assim um inicio de carreira fora de Portugal (…)” Mariana Delgado

  1. Desenvolver uma comunidade

O teu impacto pode parecer pequeno, mas a verdade é que todo o trabalho que farás durante a tua experiência internacional irá influenciar essa comunidade, quer seja através do desenvolvimento de uma nova ideia numa startup, que pode fazer com que o trabalho se torne mais eficiente, ou da criação de projetos para o desenvolvimento da qualidade de vida de uma pequena população. São pequenos contributos que, para além de te ajudarem a desenvolveres-te e a desenvolveres a tua capacidade de resolução de problemas e criatividade, serão importantíssimos para o progresso de um país.

“(…) fazer amizades para a vida, adormecer feliz por mais desafios ultrapassados, ver o projeto a ganhar asas e ter o impacto num país que não é o teu é apenas uma pequena parte do que viver fora de Portugal me tem proporcionado.” Joana Fernandes

  1. Conheceres-te a ti próprio

Viver sozinho durante várias semanas ou meses num país estrangeiro é, sem dúvida, uma experiência desafiadora. Mas a verdade é que os novos desafios que terás de enfrentar farão com que te conheças melhor a ti próprio.

“Para dizer a verdade, nunca tinha saído de Portugal. Tinha ido uma vez a Paris, e tinha ido a Espanha de carro, como toda a gente vai. À parte disso, nunca tinha andado de avião, nunca tinha saído de Portugal, nunca tinha ido sozinho para lado nenhum e do nada disse: “Pai, vou para a Tailândia no verão, um mês e meio, são só 15 mil ou 10 mil quilómetros de distância, demora 3 horas mais 12, vou para um país que não conheço, vou ter com pessoas que não conheço, para um local que ainda não conheço”. Talvez tenha descoberto o meu espírito, a minha força de vontade.” João Vasques

Uma experiência internacional enriquece sempre mesmo que os momentos desafiadores sejam muitos. É só acreditar e fazer para que tudo passe. É uma aprendizagem constante e uma redescoberta do próprio “eu”.” Joana Fernandes

  1. Tornares-te mais independente e autossuficiente

Viveres num país novo, longe da tua família e amigos, implica uma adaptação, terás de te tornar mais independente e autónomo, ao enfrentares todos os desafios que irão surgindo.

  1. Novas perspetivas e um entendimento Global

A possibilidade de realizar uma experiência internacional, contactar com culturas diferentes, compreender os seus fundamentos e aprender a respeita-las e entendê-las, torna-nos mais tolerantes e permite que se desenvolvam em nós novas perspetivas em relação ao mundo.

A Jordânia acolheu-me de braços abertos e mostrou-me que não existia razão nenhuma para não fazer o mesmo e dessa forma, integrar-me totalmente na realidade daquele país. Nestes dois anos aprendi imenso sobre a sua cultura, jejuei no Ramadão, comecei a beber imenso chá, fumei shisha, aprendi o básico de árabe, tornei-me fã da fantástica gastronomia do Médio Oriente e aprendi a gerir um grupo de locais, tentando em primeiro lugar compreender as suas histórias, as suas vidas, ganhando desta forma uma perspetiva completamente diferente do Mundo.”

1

  1. Desenvolver competências práticas

Uma experiência de voluntariado ou estágio profissional no estrangeiro fará com que desenvolvas competências práticas e permitirá a aplicação conhecimentos adquiridos enquanto estudante.

  1. Saíres da tua zona de conforto

Embarcar nesta aventura significa explorar novos mundos, novas realidades e desafiares-te a cada momento. Tudo isto não é mais do que saíres da tua zona de conforto, desenvolveres-te e testares os teus limites. Porque é tão importante? Só saindo da tua zona de conforto consegues que todas as outras razões se concretizem.

Mais do que perder de vista a minha zona de conforto e testar um novo horizonte, procuro ir além desta aconchegante redoma de cristal que me protege e consola enquanto sonho acordada, construindo planos e rumos – fantasiando com vidas que a priori já tomo como utópicas. Não me queixo. Longe disso. São a segurança e o “à vontade” Europeu que sustentam tanto a minha curiosidade como a minha coragem para dar o salto. Preciso de mais!” Mariana Morais Sarmento

Serão estas dez razões para [não] viveres uma experiência internacional o suficiente para te convencer aventurares-te numa?

 

Sara Duarte
Content Marketing Manager
contentmarketing@aiesec.pt

share post to: