Cultura

À aventura pelo Brasil (parte 2)

À chegada ao Brasil, as primeiras coisas que percebemos são as grandes diferenças sociais entre a população. Na mesma cidade vemos prédios muito altos em condomínios fechados com piscina e vista para o mar e, mesmo atrás, uma favela. Esta diferença social despertou-me imensa curiosidade porque eu estava à espera de chegar ao Brasil e, […]

Read More

À aventura pelo Brasil… (parte 1)

A Sara foi uma das jovens que decidiu aceitar o desafio da AIESEC e partir rumo ao Brasil para realizar um estágio profissional numa startup. Durante os próximos dias, poderás acompanhar a sua experiência e conhecer todos os pormenores desta aventura! Fica atento!   “Cheguei apenas há duas semanas a Portugal e nunca pensei que […]

Read More

Day 1 – The Twisted Game of Chance and Fate

Chegada ao minúsculo aeroporto tinha a Benazir (Quiroga, cujo nome significa “incomparável”), a Kanykei (Quiroga, c.n.s. “esposa de Khan”) e a Kicky (Holandesa, c.n.s. “pontapé”, visto que na barriga da mãe era extraordinariamente irrequieta) à minha espera… E assim se inicia a roleta das Host Families. Já no carro, perguntei se as famílias com que […]

Read More

18 Hours of Clarity Of the Why

Mais do que perder de vista a minha zona de conforto e testar um novo horizonte, procuro ir além desta aconchegante redoma de cristal que me protege e consola enquanto sonho acordada, construindo planos e rumos – fantasiando com vidas que a priori já tomo como utópicas. Não me queixo. Longe disso. São a segurança […]

Read More

Curiouser and Curiouser…

Certa noite, a Holandesa lembra-se de cozinhar um prato Italiano, com o nosso apreciado Azeite Galo Português, para a sua família Quiroga e compincha Portuguesa. Terminado o jantar, Begami (a irmã mais velha) pergunta-me se não me importava de irmos dar uma volta com um amigo dela que, como o único e exclusivo aparente ponto […]

Read More

The Wall

13 intensive days, over 11 indescribable sights, more than 40 actual bonds e bastou uma bactéria para me fazer duvidar “do sentido desta palhaçada toda”. As horas passadas na marshutka – dezoito pessoas, com as temperaturas sempre acima dos 35 graus e dois únicos miseráveis respiradouros no teto -, a naturalidade com que meia litrosa […]

Read More